Obras sem data

Detalhes da obra

Retrato da jornalista Sylvia von Harden; Portrait of the journalist Sylvia von Harden, Bildnis der Journalistin Sylvia von Harden

Dix, Otto

Óleo e têmpera sobre madeira. | (1926)

Musée national d\'art moderne de Paris | Paris - França

Dimensões da obra: 121 x 89 cm

[DOWNLOAD DA OBRA]

[VOLTAR PARA A PESQUISA INICIAL]

Instalado em Berlim, entre 1925 e 1927, Dix pintou uma série de retratos notáveis. Repetidamente reproduzido e exibido, o da jornalista Sylvia von Harden, cujo verdadeiro nome é Sylvia Lehr (1894-1963) é um dos mais fascinantes. Ele fornece uma síntese da pesquisa pictórica que parte do que o crítico Gustav Hartlaub designou como \"a ala esquerda do verismo\" do Neue Sachlichkeit [Nova Objetividade]. A representação sem indulgência de um tipo humano através de seus atributos se exprime na escolha de uma intelectual emancipada da década de 1920, assemelhando-se aos homens, fumando e bebendo sozinha em um café. A vontade ostentada de Dix em se assemelhar a pintores alemães do início do século XVI, Grünewald , Cranach e Holbein, passa pela exposição da feiúra, a utilização de tempera sobre madeira, a inscrição do nome de Sylvia von Harden em sua aristocrática cigarreira e a assinatura estilizada do artista. A imagem da jornalista, que Dix encontrou no Romanische Café, centro da Berlim literária e artística, permanece entretanto ambígua. Se em suas memórias publicadas em 1950, a jornalista que emigrara para Londres jornalista afirma que Dix a escolhera por seu aspecto, representativo da época, parece que o artista também a mostra equilibrando-se num um tipo e num papel em que ela parece desconfortável. Sua pose indiferente, mas não natural, parece muito ostensiva, sua arrogância intelectual é contrariada pela imagem de sua meia desfeita, e de seu vestido-saco com grande xadrez vermelho em contraste com o ambiente Art Nouveau rosa. Esta exposição parece ter escapado do modelo. Orgulhosa da aquisição de sua imagem pelo Museu em 1961, essa pequena mulher que se tornara grisalha e delgada foi então fotografada - usando seu monóculo - ao lado de seu retrato, imagem destinada a imprimir um cartão postal a ser amplamente divulgada. Um projeto que , falta de dinheiro, nunca vai se realizar. A história mostra que a ironia de pintura de Dix continua a operar. Do site do Centro Georges Pompidou: http://www.centrepompidou.fr/cpv/ressource.action?param.id=FR_R-c9af3973f3972488debdca623d67ef3¶m.idSource=FR_O-193b9043538edfb71f83e19011f4fa63 responsável: Jorge Coli

Dados sobre o Warburg

19792

6046

3861

© 1994-2019 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE