Obras sem data

Chassériau, Théodore

1819 - 1856. Imagem:  Autorretrato, 1838. Musée du Louvre.

Chassériau nasceu e viveu seus primeiros anos na ilha de Santo Domingo em Samana, El Limón, hoje República Dominicana. Criado e educado por sua mãe Maria Madalena Couret de la Blaquière, oriunda de uma família de colonos. A infância do pintor foi marcada pela ausência de seu pai Benoit Chassériau, francês que era cônsul da França em Porto Rico. Preocupado com a educação de seus filhos Benoît leva a família para Paris em 1822. Precisando viajar ele deixa a família sob a tutela do irmão mais velho, Frederick Charles Victor Chassériau.

Chassériau entra para o ateliê de Ingres em 1831, é famosa a indicação do mestre sobre o jovem pupilo no qual disse: "Vejam senhores este será o Napoleão da pintura".

Ingres é noemado diretor da Villa Medici, a academia francesa em Roma, assumindo em 1835. Neste momento Chassériau não pode acompanhá-lo por falta de dinheiro. Entretanto, em 1840 parte juntamente com Lehmann para encontrar o professor. Viagem importante na carreira do pintor que rompe com o mestre o acusando de “Desconhecer totalmente a poesia contemporanea” e com Lehmann, por conta do retrato do padre Lacordaire (Lehmann acreditava que ele deveria realizar o retrato e que Chassériau teria sido desleal ao convencer o padre de realizar seu retrato).

 
O artista entra para o circuito dos salões oficiais em 1839 quando apresenta duas telas: Vénus Marine e Suzanne et les veillards. Neste momento a grande parte da crítica identifica em Chassériau certa autonomia dos preceitos de Ingres ao mesmo tempo um futuro promissor. Período também do início da amizade com Théophile Gautier, que será o grande entusiasta de sua obra.

As relações com Eugène Delacroix são turvas, não há indicação nem por parte de Chassériau nem de Delacroix, entretanto suas obras, notadamente a partir de 1844, mantêm relações com aquelas de Delacroix. Em 1846 o artista viaja a Argélia, passando em Constantina, inúmeros estudos e desenhos que se transformaram em diversas obras tiveram origem nesta viagem.

 
Amigo de Alexis de Tocqueville, o irmão mais velho do artista que foi conselheiro de estado deu apoio a Théodore Chassériau para que este pudesse realizar os afrescos na escadaria do Tribunal de Contas, localizado na antigo Palais d' Orsay e encenciado durante a Comuna. Prédio que foi destruído dando lugar a Gare d’Orsay, hoje o Musée d’Orsay.

 
Os afrescos de Chassériau 1845-1848 são certamente a maior mais expressiva de Théodore Chassériau. Restam apenas alguns vestígios que foram transferidos para o Louvre.

Ele manteve um relacionamento com a atriz Alice Ozy, e a utilizou como modelo para alguns quadros. Este relacionamento enfurece Victor Hugo que desejava a atriz que já havia se relacionado com o filho do escritor, Charles.

Chassériau morreu com a idade de 37 anos, em 1856, em sua casa, rua 2 Fléchier em Paris.

Extraído do Wikipédia e alterado e ampliado por Martinho Junior.

Dados sobre o Warburg

15386

5134

2534

© 1994-2017 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE