Obras sem data

Seurat, Georges-Pierre

1859-1891.
Georges-Pierre Seurat nasceu no dia 02 dezembro de 1859, em Paris, no seio de uma família burguesa. Seu pai Antoine Seurat Crisóstomo, um oficial de justiça no Tribunal da Siene, é um homem solitário, caráter este herdado por seu filho. Sua mãe, Ernestine Faivre, tem uma irmã, Ana, esposa de Paul Haumonté, comerciante de tecidos e pintor amador, que fez parte da primeira formação do jovem George. Georges Seurat pintou sua tia em seu leito de morte, em 1871.
Sua irmã mais velha, Marie Berthe, a esposa de Alfred Leon Appert (1837 - 1925), engenheiro de cerâmica e vidro.
Em 1877, ele se matriculou nas Belas Artes. Seus estudos foram interrompidos pelo seu serviço militar, realizada em Brest, onde fez numerosos esboços de barcos, praias e do mar. Em 1882, Georges Seurat se dedica ao domínio das tintas preta e branca. Ele termina em 1884, ‘Une baignade à Asnières’, a primeira de sete pinturas de grandes dimensões que vai realizar durante sua curta vida. Além disso, ele participa da formação da Sociedade de Artistas Independentes, aberta, sem nem um júri de premiação, e tornou-se chefe do Neo-Impressionismo (conhecido como Pontilhismo), que inclui, entre outros Paul Signac, Henri-Edmond Cross Charles Angrand, Maximilien Luce, e por um tempo Camille Pissarro. Ele retoma dessa forma o folclore de seus antepassados e cultiva a \"harmonia\", \"a analogia dos contrários.\" Seurat começa sob a inspiração de Millet, Manet, Monet, Renoir, Pissarro e será fortemente influenciado por Rembrandt, Goya e Francisco Pierre Puvis de Chavannes, bem como Ingres, que seu professor, Henri Lehmann era um discípulo. Ele é um amigo próximo de Edmond Aman-Jean.
No verão de 1890, o pintor está em Gravelines, onde executa quatro pinturas e desenhos marinhos, bem como alguns ‘croquetons’, pequenos painéis de madeira pintados batizados desta forma pelo artista. Suas paisagens subjugam a natureza às rigorosas \"pontuações\" de sua teoria das cores, e exala uma paz interior soberbamente tendo precedência sobre a confusão da realidade. Ele escreveu uma revisão da concordância entre os tons de caracteres (claro ou escuro), cores (quente ou frio), linhas (crescente ou caídas e triste e feliz). Após o seu regresso a Paris, pôs o seu projeto de pintura que mostra Le Cirque inacabado no oitavo Salon des Independants. Ele morreu de repente durante a exposição, com a idade de 31 anos, provavelmente após uma infecção estreptocócica (ou difteria). Nest ocasião sua família descobriu que ele manteve por muitos anos um caso com Madeleine Knobloch, com quem teve um filho, Pierre Georges Knobloch, nascido 16 de fevereiro 1891, que também morreu duas semanas depois de seu pai, com a mesma infecção.
extraído do Wikipédia. Responsável: Martinho Junior

Dados sobre o Warburg

21053

6155

4443

© 1994-2020 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE