Obras sem data

Peire, Luc

O pintor Luc Peire (Bruges 1916 - Paris 1994) evoluiu do expressionismo (na esteira de Constant Permeke), através da redução pessoal e estilização da figura humana na década de 1950, para apresentar seres humanos como seres espirituais, simbolizados no movimento vertical e situado em um espaço equilibrado. Ao fazê-lo, Peire tornou-se o mestre internacional do verticalismo abstrato.
Crucial para este desenvolvimento foi o seu diálogo artístico com Eduardo Westerdahl, Alberto Sartoris, Josep Maria Subirachs, Michel Seuphor, Leo Breuer, Mathias Goeritz e figuras semelhantes.
Com seu grafismo em preto e branco como sua marca artística, Luc Peire alcançou a essência de seu verticalismo avançado. Ele aplicou este modelo de arte óptica rítmica em seus três ambientes de espelho (1967, 1968 e 1973), alcançando a conseqüência final do clímax de sua busca artística: o infinito (l'infini) e o espaço (l'espace).
O desejo de Peire de cooperar com outros artistas, arquitetos e urbanistas deu origem a vários projetos de integração na Bélgica e na França.
A carreira artística de Luc Peire seguiu um curso internacional. Isso é traçado nas anotações do diário de sua esposa, Jenny Peire-Verbruggen, publicadas postumamente em 2001 por Ludion (Ghent-Amsterdam) a partir dos ateliers van Luc Peire, e anotadas por Marc Peire.

Dados sobre o Warburg

20259

6136

4028

© 1994-2020 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE