Obras sem data

Daubigny, Charles-François

1817-1878. Vindo de uma família de pintores, Daubigny inicia seus estudos com seu pai, Edme-François Daubigny e seu tio, o miniaturista Pierre Daubigny. É também aluno de Jacques Bertin Jean-Victor e Brascassat Raymond.
Instalado em Barbizon, em 1843, onde ele trabalha no coração da natureza, muda seu estilo de pintura. Seu encontro com Camille Corot em 1852 foi decisivo: em seu barco (batizado de Botin) foi constituído seu estúdio de pintura, pintou ao longo do curso do Sena e Oise, especialmente na região de Auvers-sur-Oise.
Em 1866 Daubigny visitou a Inglaterra e novamente em 1870 por causa da Guerra Franco-Prussiana. Ele conheceu Claude Monet, em Londres, com quem se mudou para a Holanda. De volta a Auvers, ele conheceu Paul Cézanne.
As pinturas mais marcantes de Daubigny são aquelas produzidas entre 1864 e 1874, que são na sua maioria motivos de paisagens com florestas, lagos e alguns patos. Na França corria a lenda que a quantidade de patos colocados pelo pintor no quadro indicava a qualidade que ele atribuia a obra: um pato, trabalho regular, dois bom, três muito bom. Porém a história parece não ter fundamento, seria apenas uma bricadeira de seus amigos. Seja como for, ele, no final de sua carreira, foi um artista muito procurado e apreciado.

Dados sobre o Warburg

22300

6155

4953

© 1994-2022 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE