Obras sem data

Novelli, Gastone

Gastone Novelli (Viena, 1925 – Milão, dezembro de 1968) foi um pintor italiano. Artista da corrente informal, participou em vários setores da vanguarda nos anos 60.

Filho de Margaret Mayer von Ketchendorf, nobre austríaca, e Ivan Novelli, adido militar na Embaixada de Itália, nasceu em Viena, em 1º de agosto de 1925. No final de 1943, com apenas dezoito anos, junta-se a um grupo de resistentes, e em outubro foi preso, preso e torturado em Regina Coeli. Condenado à morte, a sentença é comutada para prisão perpétua pela intervenção da mãe nos mais altos cargos do Governo alemão. Ele é liberado em junho de 1944 com a entrada das tropas aliadas em Roma. Em 1945 mudou-se para Florença, onde retomou seus estudos e se formou em Ciências Políticas e Sociais. Em fevereiro de 1948 Novelli parte para o Brasil. Durante esta primeira estadia começou a pintar. Também iniciou um pequeno negócio na área de design e acessórios, criando publicidade e projetando stands e pavilhões para feiras e exposições (o Fair Folk em São Paulo, em 1949; na segunda exposição industrial de São Carlos, em 1950; e na Exposição do IV Centenário de São Paulo em 1954). No início de 1950, por ocasião da sua primeira exposição individual no Teatro Palazzo Sistina, em Roma, Novelli voltou para a Itália. Casou-se em abril com Giovanola Ripandelli e veio para o Brasil, onde permaneceu até o final de 1954. Em 1953 é contratado para ensinar composição no Instituto Superior do Museu de Arte de São Paulo. Através do ambiente de cultura que girava em torno de Pietro Maria Bardi, então diretor do museu, Novelli entra em contato com a cultura artística de vanguarda brasileira e internacional. Em 1953 ele conheceu Max Bill, convidado em São Paulo para algumas conferências, e descobre o trabalho de Paul Klee, Alexander Calder e Le Corbusier, artistas a quem o museu brasileiro dedica naqueles anos grandes exposições monográficas. Abandonou a linguagem expressionista dos primeiros trabalhos, entre 1951 e 1955; a pesquisa de Novelli são direcionados para a abstração concretista Em São Paolo Novelli, realizou diversas exposições individuais na Galeria Domus, em 1951, Galeria Galeria Tenreiro em 1952, e Museu de Arte em 1953. Ele participa também a algumas exposições colectivas importantes, incluindo I, II e a III Bienal de São Paulo, em 1951, em 1953 e em 1955. Em 1955 Novelli voltou a viver na Itália.

 

Com a Galleria La Salita Novelli realizou em 1957 um álbum litográfico acompanhado por versos de Dacia Maraini.

 

Em 1960 ele ganhou o prêmio oferecido pelo Presidente da República Italiana para a oitava edição do Prêmio Spoleto. Em 1962 Vanni Scheiwiller publica um pequeno volume de intitulado Antologia do Possível que contém, juntamente com os escritos de Edoardo Sanguineti, Elio Pagliarini, Giuliani, Paz também funciona por Emilio Vedova, Pietro Consagra, Piero Dorazio, Perilli, Cy Twombly e Arnaldo Pomodoro .

 

Em janeiro daquele ano Novelli realiza trinta e quatro desenhos que acompanham o texto da Histoire de l'oeil de Bataille, publicado em um único exemplar.. Ele trabalha para o Das Bad der Diana de Pierre Klossowski. Em 1966 publicou um relato de sua estadia na Grécia, uma espécie de diário, iniciado em 1962, que é impresso em quarenta exemplares. Produz trabalhos gráficos com os amigos poetas na revista Grammatica, uma série de quadrinhos em textos extraídos da fraseologia de fotonovelas e filmes. A experiência levou-o a criar um verdadeiro livro de quadrinhos, Viagem de Brek, com o editor veneziano Alfieri. Apresenta este livro na livraria Feltrinelli, em Roma, com um chapéu chinês em sua cabeça sob um grande retrato de Mao. É 196,7 e o compromisso político dos Novelli, sempre presente em todo o seu trabalho, torna-se o tema central da sua vida e de sua pintura.

 

No ano seguinte, foi convidado para expor, com uma sala, na Bienal de Veneza. No dia da abertura decide, como muitos outros artistas, fechar a sala em protesto contra a presença policial nos Jardins da Bienal. Ele escreve na parte de trás de uma tela (todos os trabalhos estão voltados para a parede): "A Bienal é fascista."

 

Pouco depois muda-se para Milão no estudo da Via Orti 19 e começa a ensinar na Brera. No início de dezembro de 1968, ele hospitalizado e morre por um colapso pós-operatório, alguns dias antes do Natal.

 

Seus trabalhos estão na coleção Solomon R. Guggenheim, a National Gallery of Art, em Washington, no MOMA, em Nova York, no Palazzo Reale em Milão e no GNAM de Roma.

Dados sobre o Warburg

22300

6155

4953

© 1994-2022 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE