Obras sem data

Papf, Karl Ernst (ou Ernesto Papf )

Karl Ernst Papf ou Ernesto Papf (Dresden, Alemanha, 17 de março de 1833 — São Paulo, 16 de março de 1910) foi um fotógrafo, pintor e desenhista saxão que se transferiu para o Brasil em 1867.
Pertencente a uma família de mineiros originária da cidade de Freiberg, não quis seguir a profissão paterna e dos demais parentes. Tendo inclinação para as artes, resolveu aprender pintura nas aulas da Academia de Belas Artes de Dresden.
De referências sabe-se que, aos dezesssete anos, obteve grande sucesso com o trabalho intitulado A Saudação do Mineiro e, em 1852, pintou outro quadro sumamente apreciado - Lembranças Paternas, reproduzido por Carlos Roberto Maciel Levy no seu livro sobre Papf. 1 Em 1862, ainda na Alemanha, casa-se com Sofia Schaedlich e no ano seguinte nasce Jorge Henrique, seu primeiro filho.
Em 1867 parte com a família para o Brasil. Vinha contratado para o ofício de fotógrafo pela firma de seu compatriota Alberto Henschel, estabelecido no país.
Trabalha inicialmente em Recife até 1872, depois em Salvador até 1877, ano em que, sempre a serviço do ateliê Alberto Henschel & Cia., como testemunha o Almanaque Laemmert, muda-se para o Rio de Janeiro, onde esperava encontrar melhor ambiente para o desenvolvimento de suas fotografias e pinturas.
De fato, na cidade do Rio de Janeiro a atividade fotográfica tornara-se um grande negócio. Segundo Guilherme Auler, citando Gilberto Ferrez, em 1840 surgiu na Corte o primeiro fotógrafo, número que aumentou para três em 1847, pulou para onze dez anos depois e atingiu a soma de trinta profissionais em 1864.
Chegou à capital do Império em 1877. Nesse mesmo ano, pelos seus reconhecidos méritos de pintor, foi convidado a retratar a Princesa Isabel, o Conde D'Eu e o pequeno Príncipe do Grão-Pará.
No ano seguinte, produz uma de suas melhores paisagens, a Praia do Cavalão, curiosamente o mesmo tema, ainda que de outro ângulo, posteriormente pintado por seu compatriota Georg Grimm.
Fixou residência em Niteroi de 1878 a 1880. Nesse meio tempo faleceu Sofia e Papf contrai segundas nupcias com a sobrinha Helena Schaedlich que lhe daria cinco filhos.
Em 1880 muda-se para Petrópolis onde instala a filial da Photografia Alemã em nome da firma Henschel & Cia. Tempos depois desliga-se de Henschel e cria sua própria empresa tendo como auxiliar o filho primogênito. Esse fato deve ter acontecido em 1885 quando publica nos jornais anúncios de seus trabalhos de retratista a óleo e fotógrafo, com ateliê à rua Barão do Amazonas, em Petrópolis. Agora o estabelecimento passa a chamar-se Photografia Papf.
Na cidade serrana, onde o clima era propício, Papf mantinha um enorme e bem cuidado orquidário, usando frequentemente as suas belas e exóticas flores na composição dos quadros que pintava.
No fim do século XIX e início do século XX, graças à produção e exportação do café, a Cidade o e Estado de São Paulo passaram por enorme transformação e progresso. Esse grande impulso econômico e social deve ter atraído o fotografo Papf que, em 1899, adquire uma fazenda próxima da capital paulista para nela residir, enquanto abre seu estabelecimento comercial no centro da cidade. A fazenda estava localizada em Sabaúna e tinha o nome de Fazenda das Palmeiras. Na rua Direita, nº 10, segundo o bem informado Guilherme Auler, o fotógrafo-pintor atendia sua clientela.
O ateliê de fotografia da cidade fluminense não fecha as portas com a saída de seu principal sócio. Assume sua direção, até 1920, data de seu falecimento, Jorge Henrique Papf, que sempre fora o braço direito do pai nos negócios.
Em 1881, no Rio de Janeiro, apresenta seus trabalhos na Exposição de História do Brasil.
No ano seguinte, na mesma cidade, expõe vários trabalhos na grande mostra da Sociedade Propagadora das Belas Artes, organizada no Liceu de Artes e Ofícios. Foi essa uma das mais importantes e concorridas exposições de arte organizadas nos últimos anos do Segundo Reinado. Nela Papf apresentou treze pinturas distribuídas entre retratos, paisagens, marinhas e naturezas mortas.
Em 1884 apresenta-se ao público numa exposição realizada na Glace Elégante, na rua do Ouvidor.
Dois anos depois, quando já residia na cidade serrana, participou com grande sucesso da Primeira Exposição Industrial e Artística de Petrópolis, tendo recebido a Medalha de Ouro na categoria de pintura a óleo.
Em 1897, a exposição anual organizada pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro apresentou pinturas de Papf. Parece ter sido esta a sua última aparição em exposições públicas.
Extraído do Wikipédia

Dados sobre o Warburg

21783

6155

4728

© 1994-2021 CHAA – Centro de História da Arte e Arqueologia | CONTATO | SOBRE O SITE